sábado, 24 de maio de 2014

Se o Pior Acontecesse


PARTE I - SE OS POETAS MORRESSEM

Se os poetas morressem
O que seria do mundo?
Sem consolo e sem abrigo;
Um planeta perdido
Que vai rumo ao nada...
O mais extremo nada que existe (ou melhor, se não é nada, é inexistente).

Se os poetas morressem
O que seria da arte?
A arte escrita serve de alívio...
Alívio para as mentes perambulantes
Das cavernas e das tocas desiluminadas.

Se os poetas morressem
O que seria do amor?
O maior sentimento que existe,
Sem os poetas, viraria dor.
A dor extremamente triste.

Se os poetas morressem
O que seria do humano?
Inútil e profano
Que blasfema contra a poesia,
Mas quando entristece,
Busca abrigo nos poetas...

Se os poetas morressem
O que seria da paz?
Haveriam guerras e mais guerras
Sem meio e sem finais.

Se os poetas morressem
O que seria dos sonhos?
O poeta que maquia o mundo
E mostra-o diferente.
Outrora, limpa a face suja e corrupta do planeta
E escancara, para todos, a verdade.

Se o mundo é difícil com os poetas,
Imagine sem eles.
......................................................................................

PARTE II - SE A POESIA ACABASSE

Se a poesia acabasse
O que seria da arte?
Sem modo de se expressar, o homem sofreria
E em apenas um segundo,
O mundo também acabaria.

Se a poesia acabasse
O que seria da música?
Sem pensar
Não há conclusão,
E sem conclusão
Não há um bom resultado.

Se a poesia acabasse
O que seria da filosofia?
Pobre e inútil, creio eu,
Pois os filósofos nada ensinariam
Se não tivessem
O que ensinar.

Se a poesia acabasse
O que seria da vida?
Um dia sem poesia
Equivale a uma vida sem respirar.

Se a poesia acabasse
O que seria do ser vivo?
Sem palavras necessárias,
Não existe vida...
O ser vivo não é ser, se não tiver células.

Se a poesia acabasse
O que seria do trabalhador?
Que chega cansado em casa,
E quando descansa,
Fica feliz.
Pode-se chamar poesia de felicidade,
Sensibilidade
e amor.

Se o mundo é difícil com a poesia,
Imagine sem ela.
......................................................................................

PARTE III - CASAMENTO

A poesia precisa do poeta
O poeta, toma-a como amante
E em versos errantes
Derrama seus sentimentos:
Dores, alegrias e lamentos.

A poesia sente necessidade em se passar,
Se mostrar a todos.
É como uma religião,
Só que a liberdade e sinceridade, é completa.

A poesia não é construída
De ilustres teorias...
É apenas prática.
A poesia é a arte simpática
Que sempre convence,
Mesmo quem não gosta,
A admirar a coragem de poetizar
Transmitida pelo pastor...
Pelo guardador de rebanhos.

Simon-Poeta - homenagem a Alexandre Pedro

Sua Opinião:

0 comentários:

Enviar um comentário