terça-feira, 29 de abril de 2014

Hino do Poeta Ipatinguense


Por todos os tempos,
Todos os dias,
Hei de espalhar minhas alegrias
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Por todas as épocas,
Todas as histórias
De ti hei de contar
Das memórias que deixastes
Em seus filhos pernoitar
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Por todas as situações,
Todos os tormentos
Levantarei meus lamentos a ti,
Oh mãe, Ipatinga
Olha para o filho teu.
Agradecerei então, depois de tudo
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Por todas as batalhas,
Todas as lutas e guerrilhas
Tua honra hei de defender
Eternamente ipatinguenses
Seus filhos hão de ser
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Por todas as árvores,
Todas as plantas e flores
Os apaixonados espalharão seus amores
E um apaixonado sozinho, como eu
Faço da minha mágoa, poemas
Para engrandecer o povo teu
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Por todos os poetas e poetizas,
Todos os sonhadores acordados
Que alimentastes com o leite da inspiração
De sua história e dedicação
Amor de mãe, Mãe Ipatinga
Todos eles te bendirão
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Por todas as mães que nasceram,
Todas, de teu ventre acolhedor
Mãe Ipatinga, zela com amor
Dos teus netos, bisnetos...
Pois honrados viveram
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Pelo sempre, nunca ocorrido,
Todos os tempos corridos
Ipatinga, dai o descanso
Ao trabalhador
Que vive com espanto
Do pão e da água
Da cachaça amarga
Mas mesmo assim
Permanecem firmes
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Pelos teus animais,
Todos eles, nenhum a mais
Oh, Ipatinga, zela da tua fauna
Tua fauna tão rica
Que receosa habita
Em tua flora permanente
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Pelos que não fazem nada,
Todos eles que te amam
E vivem a querer teu canto
Bicam no teu seio
Mas te olham com espanto
Mesmo assim te amam
E vivem
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Pelo teu céu,
Todos os céus são ipatinguenses.
No teu céu nebuloso,
Cantamos com gozo:
"A Lua te glorifica
O Sol se faz presente em sua vida,
As estrelas, não são nada sem teu ar
O amor de um ipatinguense,
Não é nada sem teu amar..."
Cantando e prestando louvores
A ti, Ipatinga.

Pelos que te amam,
Todos que vivem aqui
Mesmo os que reclamam
Não sabem viver sem ti
Idolatram-te e beijam-te a face
Oh, mãe querida
Que pra sempre renasce
Cantamos e prestamos louvores
A ti, Ipatinga.

Simon-Poeta | Homenagem aos 50 anos de Ipatinga: o meu amor, a minha cidade.

Sua Opinião:

0 comentários:

Enviar um comentário