quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Definindo a Humanidade


Todas as vidas são amores,
Todos amores são vidas soltas...
Abandonadas,
Esquecidas e mortas.

Todas as vidas são tortas,
Linhas retas que se curvam,
E em meio ao sol se turvam,
Pois não conseguem mais abrirem portas.

Todos os amores são dores,
E todas elas são feitas de sangue...
Pela sociedade morta,
Pela realidade torta.

Todos os abandonos são ruins,
E os elogios são bons...
Ouvimos pelo ouvido os sons,
Falamos pela boca vibrações.

Sentimos o que gostamos...
O que achamos sofrido demais dizemos que passamos por essa barreira,
E mesmo pela vida inteira,
Ainda não aprendemos que devemos ser mais humanos.

A vida nos pede mais;
O mais nos pede tudo;
O tudo nos pede vida;
A vida nos pede amor, carinho e paz.

Mas a maldita raça humana,
Que acha que engana,
A Natureza,
Se esquece da beleza,
E de que ela mesmo nos chama,
Que a pureza da vida,
É o destino da paz.
Assim os fez... assim o faz.

Simon-Poeta

Sua Opinião:

0 comentários:

Enviar um comentário